sexta-feira, 29 de abril de 2011

Movimento

Não desejo ser o vate
com o peso da profecia
que, julgada a revelia,
tem patente seu descarte.
Nem pretendo ter de Marte
o fulgor mais belicoso,
mas vou sendo cauteloso...
Haja vida ou haja morte
continuo sendo consorte
da Estrela sem repouso.

Não quero perder na escada
o espírito maestro,
sendo canhoto ou destro
igual peso tem a espada.
Onde for minha morada
ou jazigo erigido
meu legado está ungido
pelo suor mais divino.
Sou o velho e o menino
por topadas redimido.

Não quero fechar as mãos
eis que há outras abertas,
para novas descobertas
quero meus amigos sãos.
Mas, se os atos forem vãos
ou frutos da insanidade,
também entra em puberdade
a jornada do Eterno,
pois o ritmo hodierno
é dançar com liberdade.

2 comentários:

Isa Lorena disse...

Isa Lorena curtiu isso. rs

marivana disse...

Amei!!Parabénss Primo!!Bjoss